€1.43 - 0.35% cotação
criatividade+ambiçãopessoas
experiência+inovaçãonegócio
responsabilidade+integridadesustentabilidade
empenho+paixãosumol+compal
dedicação+resultados investidores
sabedoria + proteção sumol+compal

Código Conduta SUMOL+COMPAL

O Código de Conduta tem por objetivos identificar um conjunto de princípios e práticas de natureza ética e regras a observar por todos os colaboradores no desempenho das respetivas funções profissionais.

 

Por outras palavras, o Código de Conduta visa garantir boas práticas de condutas profissionais e relacionais e pretende:

 

  • Tornar claras as regras de conduta que todos os colaboradores devem cumprir nas relações que mantêm entre si e no relacionamento com quaisquer partes interessadas;
  • Reforçar a confiança de todos quantos se relacionam com a SUMOL+COMPAL nos princípios e no modo de atuação desta;
  • Garantir uma boa imagem institucional.

 

 

1. PRINCÍPIOS ÉTICOS

 

São especialmente importantes para a SUMOL+COMPAL os seguintes princípios éticos:

 

  • Profissionalismo: Aplicar o saber e as técnicas mais adequadas e o esforço necessário ao cumprimento das tarefas que estão confiadas a cada colaborador. Procurar atualizar e desenvolver os conhecimentos e as competências, tendo em vista a melhoria das capacidades profissionais;
  • Integridade: Agir honestamente, abstendo-se de procurar ou aceitar de terceiros qualquer compensação, favor ou vantagem por ato praticado ao serviço da SUMOL+COMPAL e recusando intervir em situações em que haja, ou possa haver, conflito de interesses;
  • Independência: Atuar na defesa dos interesses da SUMOL+COMPAL com imparcialidade em relação a terceiros;
  • Boa-fé: Atuar, junto dos interlocutores internos ou externos, de forma confiante, correta, leal e cooperante;
  • Não discriminação: Não diferenciar em razão da raça, género, orientação sexual, credo, estado civil, deficiência física, orientação política ou de opinião, origem étnica ou social ou naturalidade;
  • Responsabilidade: Atuar no âmbito da responsabilidade e autonomia atribuídas. Proteger e conservar os bens da SUMOL+COMPAL através de uma utilização sensata e cuidada dos recursos;
  • Confidencialidade: Guardar sigilo sobre a informação a que o colaborador tem acesso no exercício das suas funções, não a podendo utilizar para obter vantagens para si ou para terceiros;
  • Não concorrência: Não se envolver, direta ou indiretamente, em atividades que concorram com a SUMOL+COMPAL;
  • Lealdade: Salvaguardar a boa imagem, a credibilidade e o prestígio da SUMOL+COMPAL e das suas marcas em todas as situações;
  • Legalidade: Agir sempre em conformidade com a lei e os regulamentos aplicáveis.

 

 

2. APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS ÉTICOS NO RELACIONAMENTO COM PARTES INTERESSADAS

 

Apresentam-se seguidamente algumas aplicações de princípios éticos nas relações com as partes relacionadas:

 

      a. ACIONISTAS

 

  • Atuar sempre de forma a salvaguardar os interesses de todos os acionistas, através de um tratamento por igual e sem qualquer tipo de discriminação.
  • Garantir o rigor e veracidade da informação disponibilizada aos acionistas e ao mercado, fazendo-o em tempo útil.
  • Manter sigilo da informação a que se tem acesso no desempenho das respetivas funções (toda a informação relevante para o mercado de capitais deve ser mantida em absoluta confidencialidade. A SUMOL+COMPAL tem um Gabinete de Apoio ao Investidor (GIN) que tem a responsabilidade de fazer as comunicações ao mercado de acordo com a legislação e regulamentação da CMVM, em vigor. Nenhum colaborador está autorizado a, direta ou indiretamente, aconselhar ou proceder a qualquer tipo de transação sobre valores mobiliários da SUMOL+COMPAL com base em informação privilegiada).

 

      b. COLABORADORES

 

  • Pautar as relações com colegas e superiores hierárquicos com cordialidade e respeito.
  • Desenvolver e manter um diálogo aberto e frontal na resolução de conflitos, com total respeito pela diferença de opiniões.
  • Promover um bom ambiente de trabalho, defendendo sempre os interesses da SUMOL+COMPAL e não os individuais, de grupo ou área.
  • Tratar os colaboradores com justiça, garantindo não haver qualquer tipo de discriminação.

 

      c. PARCEIROS

 

          i. CLIENTES

 

  • Tratar os clientes com profissionalismo, respeito, frontalidade e lealdade, em condições de igualdade e sem qualquer tipo de discriminação, nomeadamente na prestação de informações e tratamento de reclamações.
  • Proporcionar aos clientes produtos e serviços de excelência, cumprindo sempre os compromissos assumidos.

 

          ii. FORNECEDORES

 

  • Manter com os fornecedores uma sã relação de parceria baseada no bom profissionalismo e no respeito, cumprindo sempre os compromissos assumidos.
  • Selecionar os fornecedores com base em critérios de imparcialidade e sem qualquer tipo de discriminação mas privilegiando aqueles que mais partilham princípios éticos semelhantes aos nossos.

 

      d. COMUNIDADES

 

  • Assegurar a transparência sobre a informação ambiental disponibilizada
  • Adotar práticas de promoção do bem-estar não discriminatórias

 

      e. OUTRAS PARTES INTERESSADAS

 

          i. CONCORRENTES

 

  • Promover e praticar uma concorrência leal.
  • Manter relações institucionais cordiais, baseadas no respeito mútuo e na honestidade.

 

          ii. ENTIDADES PÚBLICAS E REGULADORAS

 

  • Colaborar com as entidades públicas e reguladoras, dando resposta às solicitações que lhes forem dirigidas e não adotando qualquer comportamento que possa impedir o exercício das competências cometidas a essas autoridades.
  • Manter um relacionamento cordial pautado por princípios de isenção, imparcialidade, clareza e respeito.

 

 

3. ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

 

Qualquer comunicação com os órgãos de comunicação social deve ser feita apenas pelo Presidente do Conselho de Administração, pelo Presidente da Comissão Executiva, pelo Representante para as Relações com o Mercado, pelo Diretor de Pessoas, Comunicação e Responsabilidade Corporativa ou por colaborador expressamente autorizado pela Comissão Executiva.

 

 

4. PRESENTES, CONVITES OU OUTROS BENEFÍCIOS

 

  • Nenhum colaborador poderá aceitar ou oferecer qualquer presente ou outro benefício que se configure, ou que possa ser entendido, como tentativa de influenciar processo de decisão atual ou futuro, ou como prémio em relação a uma decisão já tomada.
  • A aceitação por um colaborador de qualquer oferta ou convite de valor estimado superior a 150 euros carece de aprovação do Membro da Comissão Executiva responsável pela área funcional, devendo este dar conhecimento por escrito da decisão ao Presidente da Comissão Executiva.

 

O procedimento a aplicar a qualquer oferta ou convite dirigida a Administradores está definido no Regulamento do Conselho de Administração.